terça-feira, 17 de julho de 2012

Operações de Produção


As variáveis que interferem nas operações de produção necessitam ser medidas e controladas. A unidade da Volkswagen na Alemanha utilizada como modelo para este estudo se caracteriza por alto Volume de output devido ao grau de repetição, especialização, sistematização e grande intensidade de capital envolvido. Tem baixa Variedade de output por trabalhar com poucos modelos ofertados aos clientes, a Variação da demanda está controlada pela produção para estoques permitindo que o processo seja contínuo e operações mistas no Grau de contato com o consumidor, já que foi construída de forma a permitir que o cliente acompanhe o processo de produção da sua encomenda. 

Esta planta foi idealizada para ser de Classe mundial, voltada ao cliente, com características de empresa enxuta, e com os melhores indicadores de Produtividade. Tal nível é possível para empresas que passaram por todas as fases da evolução da produção aproveitando o melhor de cada uma delas. 

A estratégia de desenvolvimento de produtos aplicada é mista (product-out e market-in) procurando maximizar seus recursos e utilizando-se de avançados sistemas produtivos, suportados pela tecnologia da informação que permite acompanhamento da produção pelos clientes e flexibilidade que permite produzir por encomenda ou para estoque. 

Pelo elevado grau de sistematização e automação, técnicas avançadas de desenvolvimento como de análise do valor e de engenharia do valor provavelmente foram aplicadas para analisar as funções de bens e serviços de forma a atingir funções necessárias e as características essenciais da maneira mais rentável. 

A utilização da Técnica de Projeto Modular para obter melhorias com qualidade, redução de prazos, aumento da funcionalidade do produto podem ser aplicadas. 








Engenharia Simultânea devido às vantagens oferecidas em redução do período gasto para o lançamento, melhoria na qualidade; competência técnica e permitir chances de sucesso do produto maiores também são indicadas. 

Dentro das estratégias de negócios a relação cliente-fornecedor para suportar o nível tecnológico e sistêmico desta planta exige uma integração estratégica com os fornecedores. Onde o fornecedor possa decidir estrategicamente com o fabricante o posicionamento do produto no mercado. 

O desenvolvimento de parceria real nos negócios para estruturação de um sistema comakership onde os processos de desenvolvimento (avaliação prévia, diretrizes para programa de melhoria, treinamento e acompanhamento, interações constantes para melhoria de processos; Negociação (contrato prevendo exclusividade,compromisso de informações,repasse de ganhos com melhoria do processo,penalidades do não cumprimento de prazos) são estruturados e confiáveis.


Imagens: Divulgação VW. Fonte: http://www.volkspage.net/artigos/41/

domingo, 8 de julho de 2012

Será que falta mesmo mão de obra qualificada?

Por Júlio César Pereira

Tenho lido em jornais e na internet, visto em telejornais que os gestores falando que tem tido dificuldades em encontrar profissionais qualificados para atuarem em setores específicos de suas empresas. Que faltam engenheiros para atuar nas indústrias brasileiras, falta pessoal para atuar com TI, mão de obra técnica. Como podem ver na minha descrição do blog, sou Engenheiro Eletricista/Telecomunicações, além disso tenho formação técnica em eletrotécnica e uma especialização em Engenharia de Produção e  mesmo assim tenho encontrado dificuldades para atuar dentro da minha área devido a falta de experiência.

Sei de várias empresas automobilísticas, por exemplo, que estão procurando engenheiros para atuar com manutenção, qualidade, desenvolvimento de produtos, mas devido a falta de experiência no ramo automotivo, praticamente não tenho chances nesse setor. Mas se é necessário ter experiência nesse ramo para poder ingressar nele, então eles só poderão contratar funcionários que estão atuando em outras empresas do setor, logo em breve, quer dizer, hoje pra falar a verdade não existem muitas pessoas que cumpram esse requisito. Esse foi só um exemplo do que vem acontecendo em um setor, e na verdade ocorre em vários deles.

Na minha opinião o que falta as empresas hoje é visão. É preciso contratar funcionários com pouca experiência para aprender com os funcionários já experientes da empresa de forma a não deixar o conhecimento desaparecer ou mudar para a concorrência, isso se chama Gestão do Conhecimento. Assim como eu, existem vários pessoas qualificadas por aí, apenas buscando uma oportunidade para mostrar nosso valor e como podemos ser importantes no desenvolvimento da indústria nacional. Não sei o que ocorre nas agência de RH, sei que colocam milhares de requisitos que são quase impossíveis de se encontrar em uma só pessoa. Todos sabemos que existem empresas que só contratam através do QI, mas infelizmente não são todos que tem essa vantagem. Já vi várias pessoas dizerem que na verdade as empresas multinacionais usam esse argumento para conseguirem trazer profissionais de seus países de origem, se for o caso cabe ao governo brasileiro tomar uma atitude.